Aílton Barbosa, vulgo Orelha, era foragido e buscou refúgio em Garanhus-PE

Aílton Barbosa, vulgo Orelha, era foragido e buscou refúgio em Garanhus-PE

Foto: Reprodução
Aílton Barbosa, vulgo Orelha, era foragido e buscou refúgio em Garanhus-PE
Divulgação

Um preso que havia escapado do sistema prisional alagoano e fugiu para Garanhus, cidade de Pernambuco, é apontado como chefe de uma organização criminosa que atuava em Arapiraca, o município mais importante do interior de Alagoas.

Identificado como Ailton Barbosa, ou simplesmente Orelha, o foragido quebrou a tornozeleira eletrônica que monitorava seus passos para comandar uma quadrilha, segundo informações divulgadas pela Secretaria de Segurança Pública (SSP/AL) sobre os resultados da Operação Reditus, trabalho que cumpriu 25 mandados de prisão e 49 de busca e apreensão.

Além das ordens do foragido Orelha, a organização criminosa também era comandada por Jandson Alves dos Santos (Jandinho), que cumpre pena no Presídio do Agreste, e por Wanderson Melo dos Santos, o “Andinho”, que está preso do Baldomero Cavalcanti, em Maceió.

Outra informação divulgada pela cúpula da SSP/AL diz respeito ao ‘assassino do QG’, como ficou conhecido Jonathan Barbosa Souza por conta do crime que tirou a vida de Flávio José dos Santos em junho de 2014. Jonathan, também conhecido como Corisco, era um dos responsáveis por realizar o tráfico de drogas e cumprir as ordens dos líderes da organização criminosa.

Jonathan Barbosa foi raptado por homens encapuzados quando fazia um teste de direção no Lago da Perucaba, em Arapiraca, na quarta-feira (09), véspera da realização da Operação Reditus.

Além dele, os outros membros do primeiro escalão da quadrilha apontados pela SSP/AL são Nallyson Sanderlan da Silva Souza, mais conhecido como Papudinho; Erasmo Almeida de Siqueira, o Ninho; e Wilamis Leão de Freitas, vulgo Nêgo Ila. Ainda segundo a SSP/AL, as esposas desses ‘gerentes’ “eram responsáveis pelo repasse das ordens para outros membros da organização criminosa, além de recolherem o dinheiro resultante da venda das drogas”.

O comandante do 3º BPM, tenente-coronel Ênio Bolivar, disse que a PM permanece ocupando o bairro Brasília, em Arapiraca, por tempo indeterminado para garantir a segurança dos moradores. O oficial ressaltou ainda a contribuição da população através do 181 do Disque-Denúncia para o sucesso das prisões efetuadas.

Curta a página oficial AlagoasNT no Facebook @AlagoasNT no Twitter