Suzane Richthofen tem parecer favorável à progressão ao regime aberto

Para entrar com o pedido, a Defensoria Pública, responsável pela defesa, argumentou que Suzane já cumpriu o tempo de pena necessário para o direito.

Foto: Reprodução/TV Vanguarda


Suzane von Richthofen, que foi condenada a 39 anos de prisão após ser julgada pela morte dos pais, conseguiu parecer favorável para que possa cumprir o restante da pena em liberdade. O pedido foi feito em junho de 2017 pela defesa da detenta e, agora, precisa ser julgado pela Justiça. De acordo com a reportagem, ainda não há prazo para que isso ocorra. 

 

O exame criminológico, no qual ela foi submetida à avaliação médica, deve ser usado para embasar a defesa de Suzane. Caso o pedido seja aceito, ela ficará em liberdade, devendo apenas comparecer diante de um tribunal em datas pré-estabelecidas. 

 

Para entrar com o pedido, a Defensoria Pública, responsável pela defesa, argumentou que Suzane já cumpriu o tempo de pena necessário para ter direito à progressão de pena. Além disso, a defesa destaca o "ótimo comportamento carcerário da sentenciada".

 

Seguindo o cálculo da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), ela teria direito à progressão apenas em 4 de setembro de 2019. No entanto, a defesa pediu o adiantamento por conta do trabalho exercido dentro do presídio - como costureira e, primeiro, como auxiliar de enfermaria e de copa.

 

A reportagem entrou em contato com a Defensoria Pública, que não retornou até a publicação desta matéria. 

 

Já o promotor Paulo de Palma, que atua no caso, respondeu que não poderia comentar, uma vez que o caso está em segredo de Justiça. Esse foi também o argumento usado pela Secretaria da Administração Penitenciária.